• Ínicio
  • O dia em que um filme sobre o tabu da menstruação ganhou um Oscar

O dia em que um filme sobre o tabu da menstruação ganhou um Oscar


O dia em que um filme sobre o tabu da menstruação ganhou um Oscar

A menstruação é algo natural e faz parte do cotidiano, porém ainda é tratada como um tabu, um assunto que causa embaraço e é motivo de chacota. Em países com taxas de pobreza altíssimas, meninas menstruadas podem ser obrigadas a ficar longe da escola para sempre.

Como um passo para a quebra desse tabu, o filme “Period. End of Sentence” (Absorvendo o Tabu, em português), da Netflix, venceu o Oscar de Melhor Documentário Curta-Metragem na cerimônia veiculada dia 24 de fevereiro. Ao subir ao palco para receber a premiação, a diretora iraniana, Rayka Zehtabchi, brincou com o estigma de que mulheres não estão no controle de suas emoções ‘naqueles dias’.

Não estou chorando porque estou menstruada ou coisa parecida. Não acredito que um filme sobre menstruação ganhou o Oscar!”, disse.

O filme de 25 minutos retrata a história real de uma comunidade indiana que se refere a este processo natural do corpo feminino como uma “doença que afeta só as mulheres” e que, pela primeira vez em sua história, passa a ter contato com absorventes após uma fábrica do produto chegar à cidade.

Resultado de imagem para "Period. End of Sentence"De maneira tímida, as moradoras do local começam a conversar sobre seus corpos e suas vidas com a abertura da fábrica, que garantiu, também, a muitas delas a possibilidade de ter um emprego e o próprio dinheiro, algo que não era possível antes.

A comunidade indiana retratada no filme não é uma exceção. Na cultura hindu, mulheres em idade menstrual são consideradas impuras e, em algumas regiões, chegam a ser totalmente isoladas do convívio social durante o período. A falta de produtos de higiene, principalmente de absorventes, nessas regiões, impede que as garotas possam frequentar a escola normalmente. Para piorar, na tentativa de continuar suas vidas durante a menstruação, elas usam tecidos sujos, folhas e até cinzas para impedir que o sangue se espalhe. Essas alternativas aumentam riscos de infecções graves, que as deixam doentes e podem levar à morte.

Ao dar visibilidade ao tema, as diretoras querem atrair mais doadores que possibilitem a implementação de mais máquinas desses absorventes em outras regiões do mundo.

Veja o trailer: clique aqui.

Com informações de Universa e Claudia

Compartilhe nas redes sociais