Valentina Tereshkova, a primeira mulher astronauta, é Mulher Transformadora

No dia 9 de janeiro o Brasil comemora do Dia do Astronauta, em homenagem à Missão Centenário, realizada pela Agência Espacial Brasileira (AEB), em 2006, e à viagem do primeiro brasileiro a ir para o espaço, Marcos Pontes que viajou para a Estação Espacial Internacional (ISS). Nesta data, o Mulheres Transformadoras aproveita para lembrar das conquistas da soviética Valentina Vladimirovna Tereshkova, selecionada entre mais de 400 candidatos, se tornou a primeira astronauta mulher a viajar para o espaço e, até os dias atuais, a única a ter feito um voo solo. Depois dela, a segunda mulher a fazer a viagem interespacial foi outra russa, na década de 1980 e, desde então, outras 58 mulheres astronautas foram ao espaço.

Mulher transformadora, Valentina Tereshkova é até hoje inspiração para muitas mulheres no ramo da Astronomia. “Se uma mulher pode trabalhar na manutenção de ferrovias na Russia, porque não podem também viajar para o espaço?”, questionou Valentina. Nascida em 1937, de uma família pobre, aos 24 anos, em 1961, começou a estudar para se qualificar como cosmonauta, no mesmo ano em que o diretor do programa espacial soviético, Sergei Korolev, considerou enviar mulheres ao espaço uma forma de colocar a primeira mulher em órbita na frente dos Estados Unidos, durante a corrida espacial entre as duas superpotências. Em 1962, ela foi admitida como cosmonauta, junto a mais quatro mulheres – das quais apenas ela acabou indo ao espaço – paraquedista experiente, Valentina se tornou engenheira e major-general.

Em 16 de junho de 1963, a União Soviética lançou a Vostok VI, de Baikonur. O seu sinal de chamada na aeronave, quando ela dizia “Chaika” (que significa “gaivota”), tornou-se seu apelido entre soviéticos e russos. Valentina completou 48 órbitas ao redor da Terra, no total de 71 horas, quase três dias. A astronauta teve problemas em seu retorno. Além da falta de rádio após a nave ser colocada em órbita descendente e iniciar os procedimentos de descida, quando ejetada da Vostok VI já na atmosfera e continuar a descer de paraquedas, esteve próxima de cair dentro de um lago. Ela narra em suas memórias que se isso acontecesse talvez não conseguisse sobreviver, sem forças para nadar até a borda, estando desidratada, exausta, com fome pelas náuseas que praticamente a impediram de comer em órbita, e psicologicamente afetada pela viagem – em princípio programada para um dia mas alongada para três por causa da sensação que causou no mundo seu lançamento. Seus três dias a bordo da Vostok representavam mais tempo no espaço que todos os astronautas norte-americanos que haviam viajado tinham juntos.

Ao assumir o cargo no Parlamento

A soviética recebeu diversas condecorações, tais como o batizado de uma cratera na Lua e um asteroide, o 1671 Tchaika10. Além disso, recebeu o título de “A maior mulher do Século XX”, teve seu nome cravado na Calçada da Fama dos Cosmonautas e inspirou o nome de monumentos, ruas na Rússia, escolas, um museu, filmes, músicas, moedas e selos comemorativos. Ela também foi presidente do comitê das mulheres soviéticas e tornou-se membro do Soviete Supremo, o parlamento da URSS, e do Presidium, um grupo especial dentro do governo soviético, tendo sido proeminente na política do país de 1966 a 1991, representando a URSS na Conferência das Nações Unidas para o Ano Internacional da Mulher na Cidade do México em 1975. Em 2011, mostrando sua força como Mulher Transformadora, foi eleita deputada pelo partido Rússia Unida, o mesmo de Putin e Dmitri Medvedev, e exerce seu mandato parlamentar ainda hoje, aos 80 anos.

 

Veja algumas das mulheres valentes que foram pioneiras ao orbitarem a Terra:

A segunda astronauta mulher a ir para o espaço e a primeira mulher a completar uma caminhada no espaço, ou atividade extra-veicular (EVA em inglês), foi a cosmonauta soviética Svetlana Savitskaya, que fez a caminhada espacial histórica durante seu segundo voo orbital, em julho de 1984.

 

A física Sally Ride foi a primeira americana e a terceira mulher a viajar para o espaço. Sua missão, em 19 de junho de 1983, exatamente vinte anos após Valentina, durou mais de 14 dias.

Se as mulheres já enfrentavam preconceitos, as negras então, enfrentavam o dobro. Mas a norte-americana Mae Jemison, da NASA, mostrou para todo o planeta que todos somos iguais, e podemos alcançar nossos objetivos, apesar das circunstâncias adversas. Ela ingressou na cápsula espacial Endeavour em setembro de 1992, tornando-se a primeira mulher negra a viajar para o Espaço.

Peggy Whitson, astronauta da NASA, foi a primeira mulher a comandar a Estação Espacial Internacional, ao assumir o comando do posto avançado em abril de 2008. Ela comandou a Expedição 16 enquanto cumpria uma agenda de seis meses no Espaço. Peggy também é a mulher que passou mais tempo no Espaço, 376 dias, 17 horas e 22 minutos em órbita durante duas viagens para a Estação Espacial Internacional.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quatro mulheres que serviram juntas na Estação Espacial Internacional em 14 de abril de 2010, são donas do título de “maior número de mulheres no Espaço ao mesmo tempo”. No sentido horário do canto inferior direito estão: astronauta Dorothy Metcalf-Lindenburger, Stephanie Wilson (ambas especialistas da missão STS-131); e Tracy Caldwell Dyson, engenheira de voo da Expedição 23, todas da NASA. Juntamente com as três estadunidenses, temos ainda a astronauta Naoko Yamazaki, da Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA), especialista da missão STS-131.

Brasileiras

A paulistana Veronique foi professora de voos com gravidade zero, mas não conseguiu viajar para o espaço ainda

Em 2017, o banco Itaú lançou campanha para incentivar a leitura para as crianças brasileiras e o efeito dos livros na educação infantil. Com trilha sonora composta por uma versão exclusiva de “Starman”, clássico de David Bowie. No filme, a música tornou-se “Stargirl”, e reforça que meninas e meninos de todas as classes e etnias podem ter as mesmas oportunidades para conquistar seu futuro. Na propaganda, uma menina negra que leu sobre o espaço quando pequena se torna a primeira brasileira a viajar no espaço. Ainda é um sonho a se realizar. Em 2012, a paulista naturalizada norte-americana Veronique Balsa Koken seria a primeira a tripular uma espaçonave na missão AIO50, da Aurora Aerospace, mas a viagem foi cnacelada por falta de financiamento.

Confira o vídeo:

Com informações da Wikipedia

 

Compartilhe nas redes sociais

Comente essa publicação

Publique um comentário