Projeto busca isonomia de premiações esportivas para mulheres

Em meio aos debates sobre a importância da isonomia salarial entre homens e mulheres e de conquistas importantes como a da Islândia, que garantiu isso em lei, uma proposta em análise na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado Federal busca garantir isonomia em premiações esportivas no Brasil. De autoria da senadora Rose de Freitas (MDB-ES), o projeto veda a distinção de valores entre atletas homens e mulheres nas premiações concedidas em competições em que haja o emprego de recursos públicos, ou por entidades que se beneficiem desses recursos.

Segundo a senadora, o PLS 397/2016 surgiu após notícias de que os atletas do vôlei masculino e feminino receberam premiações diferentes mesmo em competições que poderiam ser consideradas de níveis equivalentes. “As mulheres disputam competições como o Grand Prix de vôlei, em que receberam, pelo primeiro lugar, US$ 200 mil dólares, e na Liga Mundial, o time masculino que chegou em primeiro lugar, ganhou US$ 1 milhão de dólares. O que motiva isso é a questão cultural no mercado de trabalho que faz com que mulheres, em cargos iguais, recebem diferenciação salarial de 22% a 44% abaixo dos homens na mesma função”, explica.

Rose de Freitas defende isonomia de premiações e acredita que o esporte pode ser o pontapé da transformação de cultura (Foto de Leonardo Prado)

Para a autora, o esporte é um fator de mudança, de construção de um mundo melhor por meio da formação de condutas éticas e respeitosas em relação ao próximo. A autora da proposta, senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), explica que a ideia do projeto Para Rose, essa diferenciação que ocorre no esporte ainda é um traço cultural que atinge todo o mercado de trabalho. “O esforço e dedicação são os mesmos, os resultados positivos também, a diferença do prêmio vem dessa cultura que dá menor valor à mulher. Isso tem que mudar e, para isso, é preciso começar pelo tratamento igualitário entre homens e mulheres”, afirma Rose.

O projeto está na Comissão de Educação, Cultura e Esporte, com a relatora senadora Marta Suplicy (MDB/SP). Em 2017, a Comissão aprovou dois projetos que ampliam o fomento ao esporte e analisa, em 2018, diversas propostas que estabelecem incentivos ao esporte, em ano marcado por importantes eventos esportivos, como a Copa do Mundo na Rússia.

Com informações da Agência Senado

Compartilhe nas redes sociais

Comente essa publicação

Publique um comentário